Avaliação das condições ambientais do restaurante escola de uma universidade pública de Pelotas - RS

Palavras-chave: condições de trabalho, Organização institucional, Riscos ambientais, Unidades de Alimentação e Nutrição

Resumo

O estudo teve como objetivo avaliar e caracterizar aspectos inerentes às condições ambientais as quais estão expostos os colaboradores do restaurante escola (RE) da Universidade Federal de Pelotas – UFPel. O estudo foi realizado no restaurante escola Capão do Leão (RE-CL), XV de Novembro (RE-C1) e Andrade Neves (RE-C2), durante nove dias não consecutivos, três dias em cada RE. Analisou-se, a estrutura organizacional; riscos ambientais: conforto térmico e ruído com o uso respectivo dos seguintes instrumentos, termômetro globo e decibelímetro, sendo mensurado nas áreas de cocção, pré-preparo, triagem de grãos, higienização de frutas, sala da administração, estoque de material não perecível, estoque de material de limpeza, lavagem de utensílios, lavagem de pratos, vestiário e buffet. Verificou-se a infraestrutura física e de apoio ao desenvolvimento das atividades das seguintes variáveis: edificações e instalações, pisos e ralos, paredes e teto, portas e janelas, iluminação e instalações elétricas, equipamentos, utensílios e vestimentas, de acordo com uma lista de verificação. A estrutura organizacional está em consonância com os propósitos do RE. O nível de pressão sonora está em conformidade com a legislação, enquanto o conforto térmico mostrou-se aumentado em todas as áreas pesquisadas, exceto na sala das nutricionistas. A infraestrutura física e de apoio ao desenvolvimento das atividades nos RE-CL, RE-C1 e RE-C2, mostraram nível de conformidade total de respectivamente 89,96%; 69,56%; 91,30%. Conclui-se que de modo geral em sua maioria, às condições ambientais de trabalho são adequadas ao desenvolvimento das atividades laborais, embora, seja importante a adequação das fragilidades identificadas na infraestrutura como um todo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

João Pedro Novo Leal, Universidade Federal de Pelotas -Curso de Nutrição
Acadêmico do curso de Nutrição da UNiversidade Federal de Pelotas
Catia Silva Silveira, Universidade Federal de Pelotas - UFPel/ Faculdade de Nutrição
Pesquisadora PNPD, Faculdade de Nutrição. Universidade Federal de Pelotas. Pelotas, RS, Brasil.
Daniele Dos Anjos, Restaurante Escola da Universidade Federal de Pelotas
Nutricionista do Restaurante Escola da Universidade Federal de Pelotas
Elizabete Helbig, Universidade Federal de Pelotas
Docente do curso de nutrição da Universidade Federal de Pelotas

Referências

Susin V, Pereira F, Gregoletto M, Cremonese C. Condições higiênico-sanitárias, estruturais e de funcionamento de unidades de alimentação e nutrição. Rev. Visa em Debate. 2017; 5(1):60-68.

Colares L, Freitas C. Processo de trabalho e saúde de trabalhadores de uma unidade de alimentação e nutrição: entre a prescrição e o real do trabalho. Cad. Saúde Pública. 2007; 23(12):3011-3020.

Albuquerque E, Seabra L, Rolim P, Gomes L. Riscos físicos em uma unidade de alimentação e nutrição: implicações na saúde do trabalhador. Rev. Assoc. Nutr. 2012; 4(5):40-47.

Teixeira S M F et al. Administração Aplicada às Unidades de Alimentação e Nutrição. São Paulo: Atheneu, 2004. p.15, 81-99.

ABERC. Manual ABERC de Práticas de Elaboração e Serviço de Refeições para Coletividades. 11. ed. São Paulo, 2015.

Monteiro A. Importância da ergonomia na saúde dos funcionários e de unidades de alimentação e nutrição. Rev. Baiana. 2009; 33(3):416-427.

Siqueira OC. Análise ergonômica do posto de trabalho do operador de produção em uma indústria de injeção plástica utilizando o método rula (rapid upper limb assessment). Curitiba: Universidade Tecnológica Federal do Paraná Departamento Acadêmico de Construção Civil Especialização em Engenharia de Segurança do Trabalho - UTFPR, 2014.

Ministério do Trabalho. Normas regulamentadoras de segurança e saúde no trabalho. NR 15 - Atividades e operações Insalubres. Disponível em: http://trabalho.gov.br/seguranca-e-saude-no-trabalho/normatizacao/normas-regulamentadoras/norma-regulamentadora-n-15-atividades-e-operacoes-insalubres. Acesso em: 19 fev. 2018.

Dul J, Weerdmeester B. Ergonomia Prática. Tradução de ItiroIida. 2. ed. São Paulo. Edgard Blücher, 2004.

BRASIL. Resolução - RDC nº 275, de 21 de outubro de 2002. Disponível em: http://portal.anvisa.gov.br. Acesso em: 19 fev. 2018.

Liberato KBL, Landim MC, Costa EA. Estruturafísica da área de produção de umaunidade de alimentação e nutrição (UAN) localizadaem Fortaleza, CE. In: CONFRESSO BRASILEIRO DE ECONOMIA DOMÉSTICA. 20, 2009, Fortaleza.Trabalhos. Fortaleza, 2009.Disponívelem: Acesso em:27 mar. 2013.

Araújo E, Alevato H. Abordagem ergológica da organização e das condições de trabalho em uma unidade de alimentação e nutrição. Ingepro. 2011; 03(1):10-22.

Rosaneli AC. Liderança: Técnicas eficazes de liderança para nutricionistas em serviços de alimentação. Disponível em: <http://www.alexandrerosaneli.com/artigos-keymind> - Os desafios da liderança. Acesso em: 13 set. 2013.

Quintilio M, Alcarás P, Martins L. Avaliação do ruído ocupacional em um restaurante num município do Mato Grosso do Sul. Colloquium Exactarum. 2012; 4(1):27-32.

Gonçalves VSB, Silva LB, Coutinho AS. Ruído como agente comprometedor da inteligibilidade de fala dos professores. Produção. 2009; 19(3):466-476.

European Agency for Safetyand Health atWork; Hot environments in horeca, E-facts 27. In: Carneiro PMCMF. Ambiente térmico e qualidade do ar em cozinhas profissionais. Coimbra: Universidade de Coimbra. Coimbra, 2012.

Quintela D. Condições de trabalho em cozinhas profissionais – Avaliar e melhorar. Departamento de Engenharia Mecânica, Faculdade de Ciências e Tecnologias de Universidade de Coimbra. Coimbra 2009. In: Carneiro PMCMF. Ambiente térmico e qualidade do ar em cozinhas profissionais. Coimbra: Universidade de Coimbra. Coimbra, 2012.

Pohren N, Martinazzo G, Anjos M, Cozer M. Avaliação da estrutura física de uma unidade de alimentação e nutrição. Rev. Unipav. 2014; 20(36):7-23.

Somavilha GP. Orientação técnicas, legais e normativas para projetos de espaço destinados a serviçoes de alimentação coletiva. Rev. Arquimed. 2013; 2(2):108-122.

BRASIL. Resolução-RDC N° 216, de 15 de setembro de 2004. Disponível em: http://portal.anvisa.gov.br/.Acesso em: 19 fev. 2018.

Publicado
2019-09-05
Como Citar
Leal, J. P. N., Silveira, C. S., Anjos, D. D., & Helbig, E. (2019). Avaliação das condições ambientais do restaurante escola de uma universidade pública de Pelotas - RS. Revista Da Associação Brasileira De Nutrição - RASBRAN, 10(1), 103-108. Recuperado de https://rasbran.emnuvens.com.br/rasbran/article/view/1098
Seção
Artigos Originais