Avaliação da qualidade da dieta de pacientes diabéticos tipo 2 atendidos no Ambulatório de Nutrição da Universidade Federal de Pelotas

Autores

DOI:

https://doi.org/10.47320/rasbran.2021.1484

Resumo

Objetivo: Avaliar a qualidade da dieta de pacientes diabéticos tipo 2 atendidos no Ambulatório de Nutrição da Universidade Federal de Pelotas. Método: Estudo transversal com pacientes diabéticos tipo 2, maiores de 18 anos, atendidos no ambulatório de nutrição da Universidade Federal de Pelotas. Foram avaliados de forma retrospectiva, dados obtidos a partir dos prontuários dos pacientes, sendo traçado o perfil clínico, demográfico e nutricional. Para avaliar a qualidade da dieta foi aplicado o Índice de Qualidade da Dieta Revisado, a partir do recordatório de 24 horas dos pacientes na primeira consulta. Resultados: Foram avaliados 221 diabéticos tipo 2, sendo a maioria do sexo feminino (67,42%) e obeso (59,55%). A média geral do Índice de Qualidade da Dieta Revisado foi de 60,63±9,88 pontos. Os componentes com menor contribuição para a média do escore total foram frutas integrais, vegetais totais e leguminosas, cereais integrais, sódio, frutas totais e leite e derivados. Indivíduos idosos obtiveram escores significativamente maiores, além disso, houve correlação negativa entre o índice de qualidade da dieta e o índice de massa corporal, evidenciando que, quanto maior o índice de massa corporal menor o escore e pior a qualidade da dieta. Conclusão: Verificou-se inadequação na qualidade da dieta de pacientes diabéticos, principalmente entre aqueles que apresentaram sobrepeso e/ou obesidade, ressaltando a necessidade de intervenções nutricionais adequadas para essa população, visando à melhora de hábitos alimentares, com repercussões positivas no controle glicêmico e na qualidade de vida dos mesmos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Larissa Barz de Vargas, Universidade Federal de Pelotas

Graduanda do curso de Nutrição pela Universidade Federal de Pelotas.

Olivia Farias Santos, Universidade Federal de Pelotas

Nutricionista pela Universidade Federal de Pelotas

Larissa Sander Magalhães, Universidade Federal de Pelotas

Graduanda do curso de nutrição da Universidade Federal de Pelotas

Débora Simone Kilpp, Universidade Federal de Pelotas

Nutricionista do Serviço de Atenção Domiciliar (PIDI/Melhor em Casa) do Hospital-Escola da Universidade Federal de Pelotas (UFPEL); no Ambulatório do Centro de Pesquisas em Saúde Dr. Amílcar Gigante e no Serviço de Nutrição do Hospital-Escola da UFPEL/EBSERH.

 

Renata Abib Bertacco, Universidade Federal de Pelotas

Possui graduação em Nutrição (PUCRS/2005), Especialização em Nutrição com ênfase em aterosclerose (Hospital Moinhos de Vento), mestrado em Ciências Biológicas:Bioquímica (UFRGS/2008) e doutorado em Ciências Biológicas: Bioquímica (UFRGS/2011), Pós-doutorado na área de Medicina (Institut national de la santé et de la recherche médicale/ França). Atualmente é Professora Adjunta da Faculdade de Nutrição e docente permanente do Programa de Pós Graduação em Nutrição e Alimentos da Universidade Federal de Pelotas.

Anne Y Castro Marques, Universidade Federal de Pelotas

Doutora em Alimentos e Nutrição / UNICAMP. Professora adjunta da Faculdade de Nutrição / UFPEL.

Lúcia Rota Borges, Universidade Federal de Pelotas

Professor Adjunto Nível 4 do Departamento de Nutrição da Faculdade de Nutrição da Universidade Federal de Pelotas. Doutora em Ciência e Tecnologia de Alimentos pela Universidade Federal de Pelotas. Mestre em Saúde e Comportamento pela Universidade Católica de Pelotas. Graduada em Nutrição pela Universidade Federal de Pelotas.

Referências

International Diabetes Federation. IDF Diabetes Atlas. 6 th ed. [Internet]. Brussels: International Diabetes Federation; 2013. Acesso em: 15 set. 2018. Disponível em: http://www.idf.org/site/default/files/EN6EAtlhasFull0.pdf.

International Diabetes Federation. IDF Diabetes Atlas. 8 th ed. [Internet]. Brussels: International Diabetes Federation; 2017. Acesso em: 15 set. 2018. Disponível em: http://www.diabetesatlas.org/across-the-globe.html.

Mendes Z, Guedes S, Guerreiro JP, Inês M, Sousa A, Miranda A. Autovigilância da doença e qualidade de vida dos doentes diabéticos: estudo observacional em farmácias comunitárias. Rev. Port. Sau. Pub. Lisboa; 2016; 34(1): 11-19.

World Health Organization. The top 10 causes of death [Internet]. Geneva: World Health Organization; 2016. Acesso: 19 set. 2018. Disponível em: http://www.who.int/news-room/fact-sheets/detail/the-top-10-causes-of-death.

Assunção SC, Fonseca AP, Silveira MF, Caldeira AP, Pinho L. Knowledge and attitude of patients with diabetes mellitus in Primary Health Care. Esc. Anna Nery. Rio de Janeiro; 2017; 21(4): 170-208.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à saúde. Departamento de Atenção Básica. Diabetes Mellitus: Caderno de Atenção Básica, n 16 Série A [Internet]. Brasília- DF: Normas e Manuais Técnicos, 2006. Acesso: 19 set. 2018. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/diabetes_mellitus_cab16.pdf.

Sociedade Brasileira de Diabetes. Diretrizes da Sociedade Brasileira de Diabetes (SBD), Diretrizes da Sociedade Brasileira de Diabetes (2017-2018). São Paulo; 2017. Acesso: 19 set. 2018. Disponível em: https://www.diabetes.org.br/profissionais/imagens/2017/diretrizes/diretrizes-sbd 2017-2018.pdf.

Ramírez MH, Flores CAJ, Alvarado MRB, Cuahutle ADO, Vicente IAH, Tarabay JAB. Promotion of a healthy lifestyle in individuals with type 2 diabetes mellitus in rural communities. Rev. Horiz. Sanitario. Villahermosa; 2017; 16(3): 191-200.

Guerreiro-Pacheco R, Galan-Cuevas S, Capello OSA. Sociodemographic and psychological factors associated with self-care and quality of life in Mexican adults with type 2 Diabetes Mellitus. Acta. colomb. psicol. Bogotá; 2017; 20(2): 168-177.

Sartorelli DS, Franco, LJ. Tendências do diabetes mellitus no Brasil: o papel da transição nutricional. Cad. Saúde Pública. Rio de Janeiro; 2003; 19(1): 29-36.

Gross LS, Li L, Ford ES, Liu S. Increased consumption of refined carbohydrates and the epidemic of type 2 diabetes in the United States: an ecologic assessment. Am J Clin. Nutr. 2004; 79(5): 774-779.

Santos CRB, Gouveia LAV, Portella ES, Ávila SS, Soares EA, Lanzillotti HS. Índice de Alimentação Saudável: avaliação do consumo alimentar de diabéticos tipo 2. Rev. Soc. Bras. Alim. Nutr. São Paulo; 2009; 34(1): 115-129.

Felippe F, Balestrin L, Silva FM, Schneider AP. Qualidade da dieta de indivíduos expostos e não expostos a um programa de reeducação alimentar. Rev. Nutr. Campinas; 2011; 24(6): 833-844.

Kennedy ET, Ohls J, Carlson S, Fleming K. The Healthy Eating Index: design and applications. J Am Diet Assoc. 1995; 95(10): 1103-1108.

Guenther PM, Casavale KO, Kirkpatrick SI, Reedy J, Hiza HAB, Kucznski KJ et al. Update of the Healthy Eating Index: HEI-2010. J Acad. Nutr. Diet. 2013; 113(4): 569–580.

Fisberg RM, Slater B, Barros RR, Lima FD, Cesar CFG, Carandina L et al. Índice de Qualidade da Dieta: avaliação da adaptação e aplicabilidade. Rev. Nutr. Campinas; 2004; 17(3): 301-318.

Philippi ST, Latterza AR, Cruz ATR, Ribeiro LC. Pirâmide alimentar adaptada: guia para escolha dos alimentos. Rev. Nutr. Campinas; 1999; 12(1): 65-80.

Previdelli AN, Andrade SC, Pires MM, Ferreira SRG, Fisberg RM, Marchioni DM. Índice de Qualidade da Dieta Revisado para população brasileira. Rev. Saúde Pública. São Paulo; 2011; 45(4): 794-798.

World Health Organization. The world health report 1997[Internet]. Conquering suffering, enriching humanity. Geneva: World Health Organization. Acesso: 19 out. 2018. Disponível em: https://www.who.int/whr/1997/en/.

Sass A, Marcon SS. Comparação de medidas antropométricas de idosos residentes em área urbana no sul do Brasil, segundo sexo e faixa etária. Rev. Bras. Geriatr. Gerontol. Rio de Janeiro; 2015; 18(2): 361-372.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Guia alimentar para a população brasileira / Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção Básica. Brasília; 2014; 2(1). Acesso: 20 nov. 2018. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/guia_alimentar_populacao_brasileia_2ed.pdf

Fernandes CAM, Nardo NJ, Tasca RS, Pelloso SM, Cuman RKN. A importância da associação de dieta e de atividade física na prevenção e controle do Diabetes mellitus tipo 2. Acta Sci. Health Sci. 2005; 27(2): 195-205.

Oliveira KCS, Zanetti ML. Conhecimento e atitude de usuários com diabetes mellitus em um serviço de Atenção Básica à Saúde. Rev. Esc. Enferm. USP. São Paulo, 2011; 45(4): 862-868.

Levorato CD, Melo LM, Soares AS, Nunes AA. Fatores associados à procura por serviços de saúde numa perspectiva relacional de gênero. Ciênc. Saúde Coletiva. Rio de Janeiro 2014.19(4).

Cruz ARR, Melo CMA, Barbosa CO. Conhecimentos dos diabéticos sobre a doença e o tratamento nutricional. RBCEH. 2011; 8(3): 343-354.

Oliveira TRPR, Pereira GP. Perfil de pacientes que procuram a Clínica de Nutrição da PUC MINAS e satisfação quanto ao atendimento: percurso acadêmico. Rev. Interdiscip. PUC. Minas no Barreiro 2014; 4(8): 268-282.

Grillo MFF, Gorini MIPC. Caracterização de pessoas com diabetes mellitus Tipo 2. Rev. Bras. Enferm. 2007; 1(60): 49-54.

Silva DB, Souza TA, Santos CM, Jucá MM, Moreira TMM, Frota MA et al. Associação entre Hipertensão Arterial e Diabetes em Centro de Saúde da Família. RBPS. Fortaleza, 2011; 24(1): 16-23.

Schmidt MI, Duncan BB, Hoffman JF, Moura L, Malta DC, Carvalho RMS. Prevalência de diabetes e hipertensão no Brasil baseada em inquérito de morbidade auto-referida, Brasil. Rev. Saúde Pública. 2009; 43(2): 74-82.

Souza MFC, Araújo VF. Adequação do consumo e evolução antropométrica após educação nutricional de pacientes com diabete mellitus tipo 2. Rev. Demetra. 2015; 13(1): 159-172.

Zanchin MC, Kirsten VR, Marchi ACB. Marcadores do consumo alimentar de pacientes diabéticos avaliados por meio de um aplicativo móvel. Ciênc. Saúde Coletiva. 2018; 23(12): 4199-4208.

Rossaneis MA, Haddad MCFL, Mathias TAF, Marcon SS. Diferenças entre mulheres e homens diabéticos no autocuidado com os pés e estilo de vida. RLAE. 2016; 24:e2761.

Costa D, Reis BZ, Vieira DAS, Costa JO, Teixeira PDS, Raposo OFF et al. Índice de qualidade da dieta de mulheres usuárias de um programa de atividade física regular "Academia da Cidade", Aracajú, SE. Rev. Nutr. Campinas, 2012; 25(6): 731-741.

Fisberg RM, Morimoto JM, Slater B, Barros MB, Carandina L, Goldbaum M. Dietary quality and associated factors among adults living in the state of. J. Acad. Nutr. Diet. São Paulo, 2006; 106(12): 2067-72.

Assumpção D, Domene SMA, Fisberg RM, Barros MBA. Qualidade da dieta e fatores associados entre idosos: estudo de base populacional em Campinas, São Paulo, Brasil. Cad. Saúde Pública. Rio de Janeiro, 2014, 30(8): 1680-1694.

Campos JSP, Borges SM. Avaliação da qualidade da dieta e fatores de risco à saúde de docente de uma instituição de ensino superior de Belém – PA. Braspen J. 2018; 33(2): 147-51.

Assumpção D, Domene SMA, Fisberg RM, Canesqui AM, Barros MBA. Diferenças entre homens e mulheres na qualidade da dieta: estudo de base populacional em Campinas, São Paulo. Ciênc. Saúde Coletiva. Rio de Janeiro, 2017, 22(2): 347-358.

Horta PM, Santos LC. Qualidade da dieta entre mulheres com excesso de peso atendidas em uma Academia da Cidade de Belo Horizonte, Minas Gerais. Cad. Saúde Colet. Rio de Janeiro, 2015, 23(2): 206-213.

Freedman LS, Guenther PM, Krebs-Smith SM, Kott PS. A population's mean Healthy Eating Index-2005 scores are best estimated by the score of the population ratio when one 24-hour recall is available. J. Nutr. 2008; 138(9): 1725-1729.

Ervin RB. Healthy Eating Index-2005 total and component scores for adults aged 20 and over: National Health and Nutrition Examination Survey, 2003-2004. NHIS. 2011; 13(44): 1-9.

Nelson KM, Reiber G, Boyko EJ, Nhanes III. Diet and exercise among adults with type 2 diabetes: findings from the third national health and nutrition examination survey. Diabetes Care. 2002; 25: 1722–1728.

IBGE. Pesquisa de Orçamentos Familiares 2008-2009: despesas, rendimentos e condições de vida. Rio de Janeiro: IBGE, 2010. Acesso: 09 maio de 2019. Disponível em: https://www.ibge.gov.br/estatisticas/sociais/saude/9050-pesquisa-de orcamentos-familiares.html?=&t=resultados.

Silva ME, Simões MO, Almeida KSM. Qualidade da dieta e consumo de sódio de pacientes em hemodiálise de uma clinica renal da fronteira oeste do Rio Grande do Sul. Rev. Bras. Nutr. Clín. 2016; 31 (1): 70-74.

Kuznesof S, Brownlee IA, Moore C, Richardson DP, Jebb AS, Seal CJ. Whole heart study participant acceptance of wholegrain foods. Appetite. 2012; 59(1): 187-93.

Bernaud FSR, Rodrigues TC. Fibra alimentar – Ingestão adequada e efeitos sobre a saúde do metabolismo. ABE&M. 2013; 57(6): 397-405.

Dall’Alba V, Azevedo MJ. Papel das fibras alimentares sobre o controle glicêmico, perfil lipídico e pressão arterial em pacientes com diabetes melito tipo 2. Rev. HCPA. 2010; 30(4): 363-371.

Anderson JW, Randles KM, Kendall CW, Jenkins DJ. Carbohydrate and fiber recommendations for individuals with diabetes: a quantitative assessment and meta-analysis of the evidence. J. Am. College Nutr. 2004; 23(1): 5-17.

Loureiro AS, Silva RMVG, Rodrigues PRM, Pereira RA, Wendpap LL, Ferreira MG. Diet quality in a sample of adults from Cuiabá (MT), Brazil: Association with sociodemographic factors. Rev. Nutr. Cuiabá, 2013, 26(4): 431-441.

Oliveira MC, Calahani IM, Previdelli AN, Malta MB, Corrente JE, Papini SJ. Aplicação do Índice de Qualidade da Dieta Revisado antes e após orientação nutricional. Rev. Ciênc. Méd. 2015, 24(1): 29-36.

Ceccatto V, Pietro PF, Previdelli AN, Vieira FGK, Schiavon CC, Engel R. Brazilian Healthy Eating Index Revised (BHEI-R) of women before and during adjuvant treatment for breast cancer. Nutr. Hosp. 2014; 30(5): 1101-1109.

Hiza HA, Casavale KO, Guenther PM, Davis CA. Diet quality of Americans differs by age, sex, race/ethnicity, income, and education level. J. Acad. Nutr. Diet. 2013; 113(2): 297-306.

Benetti F, Ceni GC. Frequência do consumo alimentar de pacientes diabéticos em acompanhamento ambulatorial na região norte do RS, no segundo semestre de 2008. Rev. Eletrôn. de Extensão da URI. Vivências, 2010; 6(9): 124-135.

Sociedade Brasileira de Cardiologia. IV Diretriz Brasileira sobre dislipidemias e prevenção da aterosclerose. Arquivo Brasileiro de Cardiologia. 2007; 88(1): 2-19.

Tardido AP, Falcão MC. O impacto da modernização na transição nutricional e obesidade. Rev. Bras. Nutr. Clín. 2006, 21(2): 117-124.

Pereira IFS, Vale D, Bezerra MS, Lima KC, Roncalli AG, Lyra CO. Padrões alimentares de idosos no Brasil: Pesquisa nacional de saúde. Ciên. Saúde Colet. 2013.

Assumpção D, Senicato C, Fisberg RM, Canesqui AM, Barros MBA. Há diferenças na qualidade da dieta de trabalhadoras remuneradas e donas de casa? Rev. Saúde Pública. São Paulo, 2018, 52(47).

Chen X, Cheskin LJ, SHI L, WANG Y. Americans with diet-related chronic diseases report higher diet quality than those without these diseases. J. Nutr. 2011, 141(8):1543-1551.

Freitas TI, Previdelli AN, Ferreira MPN, Marques KM, Goulart RMM, Aquino RC. Factors associated with diet quality of older adults. Rev. Nutr. Campinas, 2017, 30(3): 297-306.

De Koning L, Chiuve SE, Fung TT, Willett WC, Rimm EB, Hu FB. Diet-Quality Scores and the Rick of Type 2 Diabetes in Men. Diabetes care. 2011; 34(5): 1150-1156.

Coltman AE, Keim KS, Chapman-Novakofski KM, Taylor CA. Assessing Diet Quality of a Type 2 Diabetes Sample Using the Healthy Eating Index 2005. TICN. 2013; 28(2): 145–153.

Downloads

Publicado

2020-11-23

Como Citar

Vargas, L. B. de, Santos, O. F., Magalhães, L. S., Kilpp, D. S., Bertacco, R. A., Marques, A. Y. C., & Borges, L. R. (2020). Avaliação da qualidade da dieta de pacientes diabéticos tipo 2 atendidos no Ambulatório de Nutrição da Universidade Federal de Pelotas. Revista Da Associação Brasileira De Nutrição - RASBRAN, 12(1), 52–70. https://doi.org/10.47320/rasbran.2021.1484

Edição

Seção

Artigos Originais