Perfil demográfico e socioeconômico de manipuladores em uma unidade de alimentação e nutrição na cidade de Juiz de Fora- MG

Autores

DOI:

https://doi.org/10.47320/rasbran.2021.1759

Resumo

Mudanças decorrentes do processo de industrialização afetaram os costumes e o modo de se alimentar da sociedade, levando a aumento do número de refeições realizadas fora do ambiente domiciliar bem como na quantidade de estabelecimentos produtores de alimentos, e para que isso seja possível, é essencial a presença dos manipuladores de alimentos. O objetivo deste trabalho foi descrever o perfil demográfico e sócio econômico dos manipuladores de alimentos de uma Unidade de Alimentação e Nutrição. Trata-se de estudo transversal realizado na matriz de uma Unidade de Alimentação e Nutrição (UAN), na cidade de Juiz de Fora, Brasil. Foi aplicado um questionário autoadministrado contendo informações demográficas e socioeconômicas. Os dados foram descritos por meio da distribuição de frequências absolutas e relativas. Participaram da pesquisa 81 manipuladores de alimentos, agrupados de acordo com a função que exercem na unidade. Os participantes apresentam idade média de 33,9 anos (±9,5 anos), a maioria pertence ao gênero masculino (61,7%) e reside na cidade de Juiz de Fora (97,5%), 84% apresenta o ensino fundamental e ensino médio; 48,1% é de auxiliar de cozinha; o tempo de profissão (72,8%) e tempo exercido de profissão na empresa (55,6%) apresentam período superior a um ano. A implementação constante e periódica de treinamentos, e incentivo à capacitação são importantes. Além disso, deve-se considerar um gerenciamento de recursos humanos que promova a qualidade de vida e a valorização do indivíduo no ambiente organizacional. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Daniel Inácio Peixoto Domingues de Azevedo, Particular

Nutricionista, formada pela Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF). Atua na area de alimentos.

Rebeca Galhardo Tiburcio, Particular

Nutricionista formada pela Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF). Em sua trajetória acadêmica foi monitora bolsista do Programa Nacional de Reorientação da Formação Profissional em Saúde (PróSaúde)/ Programa de Educação Para o Trabalho (PETSaúde), monitora voluntária no Programa de Treinamento Profissional Jogos Interativos da Anatomia Humana, monitora bolsista do projeto de extensão Grupo de Estudos em Nutrição Funcional ? a nutrição funcional como agente transformador da alimentação na comunidade, monitora voluntária no projeto intitulado Mercado Escola: ações de educação alimentar e nutricional em escolas do município de Juiz de Fora, Minas Gerais e atuou como aluna bolsista em Iniciação Científica no projeto Uso de Equipamentos de Proteção Individual por manipuladores de alimentos, foi monitora das disciplinas de Nutrição e Metabolismo e Microbiologia aplicada à Nutrição. Foi estagiária em nutrição clínica no Hospital e Maternidade Therezinha de Jesus em Juiz de Fora, estagiária em unidade de alimentação e nutrição na empresa Sapore e estagiária de nutrição social na Unimed Juiz de Fora.

Bruna Laiza Silva Marinho, Particular

Graduada em Nutrição, pela Universidade Federal de Juiz de Fora (2015); Nutricionista com experiência na área de Produção de Refeições Coletivas; Pós graduada em Docência no Ensino Superior pela Faculdade São Luís (2018); Pós graduanda em Nutrição Clínica e Estética pelo Instituto de Pesquisas Ensino e Gestão em Saúde - IPGS (2019); Atuação em atendimentos na área de Nutrição Clínica

Mirella Lima Binoti, Universidade Federal de Viçosa

Possui graduação em Nutrição pela Universidade Vila Velha (2003), mestrado em Biologia Vegetal pela Universidade Federal do Espírito Santo (2006) e doutorado em Ciência e Tecnologia de Alimentos pela Universidade Federal de Viçosa (2012). Atualmente é professor adjunto da Universidade Federal de Viçosa. Tem experiência na área de Nutrição, com ênfase em Dietética, Ciência e Tecnologia dos Alimentos e em Gestão de Unidades de Alimentação e Nutrição.

Referências

Monteiro MAM. A importância da ergonomia na saúde dos funcionários de Unidades de Alimentação e Nutrição. Revista Baiana de Saúde Pública 2009; 33 (3): 416-427.

Albuquerque EM, Seabra LMAJ, Rolim PM, Gomes LM. Riscos físicos em uma Unidade de Alimentação e Nutrição: implicações na saúde do trabalhador. Revista Associação Brasileira de Nutrição 2012; 4(5).

Akutsu RM, Botelho RA, Camargo EB, Sávio KEO, Araújo WC. Adequação das boas práticas de fabricação em serviços de alimentação. Revista de Nutrição 2005; 18(3).

Brasil, Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Resolução RDC nº 216, de 15 de setembro de 2004.

Barreto LKS, Leone NMCPG, Nascimento LC, Aouar WAE. Trabalho, prazer e sofrimento: um estudo em Unidades de Alimentação e Nutrição. Razon y Palabra 2016; 20 (3).

Malhotra R, Lal P, Prakash SK, Daga MK, Kishorea J. Profile of food handlers working in food service establishments located within the premisses of a medical college in Delhi, India. Public Health 2000; 121(6).

Castro FT, Barbosa CG, Tabai KC. Perfil de manipuladores de alimentos e a ótica desses profissionais sobre alimento seguro no Rio de Janeiro (RJ). Oikos: Revista Brasileira de Economia Doméstica 2011 ;22(1) 153:170.

Ehiri JE, Morris GP, Mcewen J. Implementation of HACCP in food businesses: the way ahead. Food Control 1995; 6(6).

Vergara PVG, Revuelta CC, Majem LS. Evaluación de la eficácia de lós cursos de formación sanitaria dirigidos a los manipuladores de alimentos de área sanitária de Ganídeas Valência. Revista Española de Salud Pública 2000; 74(3).

IPEA. Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada. A participação feminina no mercado de trabalho, Rio de Janeiro; 2002.

Devides GGG. Análise do perfil socioeconômico e profissional de manipuladores de alimentos participantes de um programa de capacitação em Boas Práticas de Fabricação, no município de Araraquara, SP [dissertação]. Araraquara: Universidade Estadual Paulista. Araraquara; 2010.

Bastos AVB, Correia NCN, Lira SB. Padrões de comprometimento com a profissão e a organização: o impacto de fatores pessoais e da natureza do trabalho. Revista de Administração da Universidade de São Paulo 2000; 35(4).

Ditasi et. al. Conhecimento e percepção de risco sobre higiene alimentar em manipuladores de alimentos de restaurantes comerciais. Nutrire 2009; 34(3): 45-56.

Byrd-Bredbenner et al. Food Safety Self-Reported Behaviors and Cognitions of Young Adults: Results of a National Study. Jornal of Food Protection. 2007; 70(8) 1917:1926.

Çakiroglu FP, Uçar, A. A employees’ perception of hygiene in the catering industry in Ankara (Turkey): Food control, 2008; 19 (1) 09:15.

Linhares et.al. Segurança do trabalho: uso de EPI`s e acidentes na construção civil na cidade de Sobral. Congresso Técnico Científico da Engenharia e da Agronomia. Disponível em: URL:http://www.confea.org.br/media/contecc2016/civil/

Viveiros FC. Avaliação de conhecimentos de higiene e segurança alimentar de manipuladores de alimentos em unidades de alimentação e nutrição do sector hospitalar. [Trabalho de investigação]. Porto: Universidade do Porto. Porto, 2010.

Goios et.al. Conhecimentos de manipuladores de alimentos sobre segurança dos alimentos e alergias. Higiene Alimentar 2017;31(264/265).

Brasil, Secretaria de Assuntos Estratégicos. Determinantes da produtividade do trabalho para a estratégia da sustentabilidade e promoção da classe média, Brasília, 2013.

Nunes HPG. Satisfação no trabalho dos manipuladores de alimentos. [Trabalho de investigação] Porto: Universidade do Porto. Porto, 2010

Downloads

Publicado

2021-02-17

Como Citar

Azevedo, D. I. P. D. de, Tiburcio, R. G., Marinho, B. L. S., & Binoti, M. L. (2021). Perfil demográfico e socioeconômico de manipuladores em uma unidade de alimentação e nutrição na cidade de Juiz de Fora- MG . Revista Da Associação Brasileira De Nutrição - RASBRAN, 12(1), 153–163. https://doi.org/10.47320/rasbran.2021.1759

Edição

Seção

Artigos Originais

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)