Perfil socioeconômico e condições de saúde de pré-escolares de duas creches filantrópicas do município de Viçosa, MG

  • Ceres Mattos Della Lucia Universidade Federal de Viçosa
  • Laura Luiza Menezes Santos
  • Pamella Cristine Anunciação
  • Barbara Pereira Silva
  • Sylvia Carmo Castro Franceschini
  • Helena Maria Pinheiro-Sant`Ana
Palavras-chave: Anemia, Escolaridade, Condições de habitação, História alimentar, SAÚDE DA CRIANÇA, PRÉ-ESCOLAR, CRECHES, FATORES SOCIOECONÔMICOS, ESTADO NUTRICIONAL, NÍVEL DE SAÚDE, ANEMIA FERROPRIVA, ESTUDOS TRANSVERSAIS

Resumo

O ambiente socioeconômico em que vive a criança é um importante preditor das condições de saúde e nutrição nesta fase da vida. Este estudo objetivou avaliar o perfil socioeconômico e as condições de saúde de pré-escolares de duas creches filantrópicas de Viçosa, MG. Participaram do estudo 98 pré-escolares (2 a6 anos) de duas creches, nos quais foram avaliados o perfil socioeconômico e as condições de saúde por meio da aplicação de um questionário. Foi avaliado o estado nutricional por meio de medidas antropométricas de peso e altura. A maior parte das crianças não apresentou anemia (88,8%) nem enfermidades frequentes (74,5%). O estado nutricional das crianças foi satisfatório, uma vez que houve alta prevalência de eutrofia e baixos percentuais de baixo peso em ambas as creches. Destacaram-se como fatores de risco para futuros problemas e prejuízos no estado de saúde da criança a baixa escolaridade dos pais e a baixa renda (inferior a 1 salário mínimo). Além disso, observou-se introdução precoce da alimentação complementar e retirada do leite materno da alimentação da criança, o que poderia comprometer seu crescimento e desenvolvimento. Como aspectos positivos, ressalta-se a existência de condições adequadas de moradia e saneamento básico, as quais podem contribuir para a baixa frequência de parasitoses e outras enfermidades. Da mesma forma, a baixa incidência de anemia ferropriva nas crianças pode ser consequência, entre outros fatores, do maior acesso à assistência pré-natal, e, também, à permanência das crianças nas creches, garantindo alimentação adequada na fase pré-escolar.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Tuma RCFB, Costa THM, Schmitz BAS. Avaliação antropométrica e dietética de pré-escolares em três creches de Brasília, Distrito Federal. 2005.

Biscegli TS, Polis LB, Santos L, Vicentin M. Avaliação do estado nutricional e do desenvolvimento neuropsicomotor em crianças freqüentadoras de creche. Rev Paul Pediatr. 2007;25(4):337-42.

Assis AMO, Barreto ML, Santos NS, de Oliveira LPM, dos Santos SMC, Pinheiro SMC. Desigualdade, pobreza e condições de saúde e nutrição na infância no Nordeste brasileiro. Cad saúde pública. 2007;23(10):2337-50.

Fisberg RM, Marchioni DML, Cardoso MRA. Estado nutricional e fatores associados ao déficit de crescimento de crianças frequentadoras de creches públicas do Município de São Paulo, Brasil. Cad Saúde Pública. 2004;20(3):812-7.

Silva GAP, Balaban G, Motta MEFA. Prevalência de sobrepeso e obesidade em crianças e adolescentes de diferentes condições socioeconômicas. Rev Bras Saúde Matern Infant. 2005;5(1):53-9.

Vitolo MR, Gama CM, Bortolini GA, Campagnolo PD, Drachler ML. Alguns fatores associados a excesso de peso, baixa estatura e déficit de peso em menores de 5 anos. J pediatr. 2008;84(3):251-7.

Castro TG, Novaes JF, Silva MR, Costa NMB, Franceschini SCC, Tinôco ALA, et al. Caracterização do consumo alimentar, ambiente socioeconômico e estado nutricional de pré-escolares de creches municipais. Rev Nutr. 2005;18(3):321-30.

Jelliffe D. Evaluación del estado de nutrición de la comunidad. Ginebra: OMS. 1968:260-1.

WHO – WORLD HEALTH ORGANIZATION. WHO Child Growth Standards: length/height-for-age, weight-for-age, weight-for-length, weight-for-height and body mass index-for-age. In: Methods and development, editor. Geneva, Switzerland: WHO; 2006.

WHO – WORLD HEALTH ORGANIZATION. The WHO Child Growth Standards. Geneva, 2007 [cited 2012 20 Mai]. Available from: http://www.who.int/childgrowth/standards/en/.

WHO - World Health Organization. Training course on child growth assessment Geneva: WHO; 2008. Available from: http://www.who.int/childgrowth/training/en/.

Conselho Nacional de Saúde. Resolução nº. 196 de 10 de outubro de 1996. Diretrizes e Normas Regulamentadoras de Pesquisas Envolvendo Seres Humanos. Diário Oficial da União. 1996.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Pesquisa de Orçamentos Familiares 2008-2009. Brasil: Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão; 2010.

Ministério da Saúde. Assistência pré-natal: manual técnico. Ministério da Saúde Brasília; 2000.

Fujimori E, Laurenti D, Núñez De Cassana LM, Oliveira IMV, Szarfarc SC. Anemia e deficiência de ferro em gestantes adolescentes. Rev Nutr. 2000;13(3):177-84.

Uchimura TT, Szarfarc SC, Uchimura NS, Bercini LO. Índice de proporcionalidade do baixo peso ao nascer e a sua relação com a mortalidade neonatal. Acta Scientiarum Health Science. 2008;23:753-7.

Minagawa ÁT, Biagoline REM, Fujimori E, de Oliveira IMV, Moreira APCA, Ortega LDS. Baixo peso ao nascer e condições maternas no pré-natal. Rev Esc Enferm USP. 2006;40(4):548-54.

Silveira MF, Santos IS, Barros II, Matijasevich A, Barros FC, Victora CG. Aumento da prematuridade no Brasil: revisão de estudos de base populacional. Rev Saúde Pública. 2008;42(5):957-64.

França E, Souza JM, Guimarães MD, Goulart EMA, Colosimo E, Antunes CMF. Associação entre fatores sócio-econômicos e mortalidade infantil por diarréia, pneumonia e desnutrição em região metropolitana do Sudeste do Brasil: um estudo caso-controle. Cad Saúde Pública. 2001;17(6):1437-47.

de Campos AL, Nascimento CF, Grazini JT, de Assis AN, Vítolo MR, de Nóbrega FJ. Aspectos nutricionais, psicológicos e sociais de mães de crianças desnutridas. J Pediatr. 1995;71(4):214-8.

Zollner CC, Fisberg RM. Estado nutricional e sua relação com fatores biológicos, sociais e demográficos de crianças assistidas em creches da Prefeitura do Município de São Paulo. Rev Bras Saúde Matern Infant. 2006;6(3):319-28.

Haidar FH, Nascimento LFC. Escolaridade materna: correlação com os indicadores obstétricos. Cad Saúde Pública. 2001;17(4):1025-9.

Ministério da Saúde. Pesquisa nacional de demografia e saúde da criança e da mulher: PNDS 2006, dimensões do processo reprodutivo e da saúde da criança: Ministério da Saúde; 2009.

Ribas DL, Philippi ST, Tanaka A, Zorzatto JR. Saúde e estado nutricional infantil de uma população da região Centro-Oeste do Brasil. Rev Saúde Pública. 1999;33(4):358-65.

INSTITUTO DE PESQUISA ECONOMICA APLICADA (IPEA). Atlas do desenvolvimento humano no Brasil. IDH-M; 2003.

Aranha S, Zollner A, Cury M, Copri P. Condições Ambientais como fator de risco para doenças em comunidade carente na zona sul de São Paulo. Revista APS. 2006;9(1):20-8.

Azeredo CM, Cotta RMM, Schott M, Maia TM, Marques ES. Avaliação das condições de habitação e saneamento: a importância da visita domiciliar no contexto do Programa de Saúde da Família. Ciência & Saúde Coletiva. 2007;12(3):743-73.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Pesquisa sobre padrões de vida–1996-1997: primeira infância. Rio de Janeiro1999. p. 9-24.

Osório MM. Fatores determinantes da anemia em crianças. J pediatr. 2002;78(4):269-78.

Corso ACT, Botelho LJ, Zeni LAZR, Moreira EAM. Sobrepeso em crianças menores de 6 anos de idade em Florianópolis, SC. Rev nutr. 2003;16(1):21-8.

Ministério da Saúde. Guia alimentar para crianças menores de dois anos. Brasília: Ministério da Saúde 2002.

Monte CM, Giugliani ER. Recomendações para alimentação complementar da criança em aleitamento materno. J Pediatr. 2004;80(5):131-41.

Publicado
2018-01-19
Como Citar
Della Lucia, C. M., Santos, L. L. M., Anunciação, P. C., Silva, B. P., Franceschini, S. C. C., & Pinheiro-Sant`Ana, H. M. (2018). Perfil socioeconômico e condições de saúde de pré-escolares de duas creches filantrópicas do município de Viçosa, MG. Revista Da Associação Brasileira De Nutrição - RASBRAN, 8(2), 3-11. Recuperado de https://rasbran.emnuvens.com.br/rasbran/article/view/655
Seção
Artigos Originais